Arquivo da categoria: Infertilidade

Hiperplasia do Endométrio

saude-da-mulher

O que é:

A hiperplasia do endométrio é o aumento da espessura do tecido que reveste internamente o útero devido a exposição excessiva ao estrogênio, que pode ocorrer em mulheres que não ovulam todos os meses ou durante a terapia de reposição hormonal feita somente com estrogênio.

A hiperplasia endometrial nem sempre está relacionada ao câncer, mas existe risco, e as mulheres que têm maiores chances de vir a desenvolver um câncer endometrial são aquelas que além de estarem mais expostas ao estrogênio são obesas, diabéticas ou sofrem com doenças no fígado ou rins.

Sintomas da hiperplasia do endométrio

Os sintomas da hiperplasia do endométrio podem ser:

  • Sangramento uterino anormal;
  • Dor abdominal e cólica;
  • Aumento discreto do tamanho do útero, percebido pela ultrassonografia.

Reversão de Laqueadura: recuperação da fertilidade na mulher

O que é a Reversão de Laqueadura

A laqueadura é a cirurgia de infertilização feminina, que impede o encontro do óvulo com os espermatozoides ao bloquear as duas trompas, usando métodos como pontos cirúrgicos, clipes ou eletrocoagulação. Ela muitas vezes é feita após o parto cesariana ou normal, ou através de laparoscopia ou por via vaginal. Dependendo da forma como ela é feita e que regiões da trompa pode ter danificado, é possível reverter o processo cirurgicamente.

Outros nomes

Reanastomose tubária, recanalização das trompas

Como e quando é feita a Reversão de Laqueadura

A principal condição para que a reversão seja feita é que o final das trompas tenha sido preservado quando foi feita a laqueadura. Também é preciso que a tuba uterina não esteja doente ou dilatada. Fora esses casos, é possível religar as trompas.

A cirurgia de reversão em si é feita por laparoscopia, ou seja, com pequenos cortes para a inserção dos instrumentos e da micro câmera. O método é muito semelhante à reversão de vasectomia, os canais são religados através de um microsutura, já que a tuba uterina tem entre 3 e 5 milímetros de diâmetro. Também é retirada a região em que ficou a cicatriz da laqueadura, para facilitar a irrigação sanguínea dos tecidos. Antes de dar os pontos unindo os dois lados, é injetada uma solução de soro com um corante azul através do útero, para testar ser a tuba uterina está aberta. Pode ser usada a anestesia geral ou os tipos raquidiana e peridural.

Anovulação

CRISTIAN-FERRAZ-300x1511

Porque aparece
Causa comum de irregularidade menstrual e anovulação é a síndrome dos ovários policísticos (SOP). Mulheres com essa síndrome freqüentemente apresentam outros sintomas como aumento de pêlos no corpo, acne e obesidade. Ocorre também uma disfunção na glândula hipófise – responsável pela produção de hormônios – e resistência à insulina. Outras condições que podem interferir com a ovulação são:

  • Hipertireoidismo – excesso de funcionamento da glândula tireóide;
  • Intensos e longos exercícios físicos, típicos de competidoras, ginastas profissionais e corredoras de maratona;
  • Índice de massa corporal muito baixo, comum em bailarinas excessivamente magras ou jovens anoréxicas;
  • Etresse – ansiedade e outras formas de estresse emocional podem influenciar o ciclo menstrual e a ovulação.

Prevenção da infertilidade

Infertilidade

Dietas e desordens alimentares

Não parece que dietas bem balanceadas tenham um efeito benéfico sobre a fertilidade apesar de fazerem bem à saúde como um todo. No entanto, o excesso de exercícios e as desordens alimentares podem ser uma causa de infertilidade.

É importante que doenças metabólicas como o diabetes e as desordens do colesterol sejam corrigidas em casais que estejam tentando filhos.

Mulheres que desejam engravidar deveriam tomar quantidade suficiente de ácido fólico (400 mcg por dia ou 0,4 mg) para evitar malformações do tubo neural (sistema neurológico do bebê).

Em homens com baixa contagem de espermatozoides, multivitaminas e sais minerais podem melhorar esse aspecto.

Desordens alimentares como a bulimia e a anorexia durante muitos anos da vida da mulher podem ter impacto negativo na fertilidade. Nessas condições, mulheres não ovulam mesmo tendo menstruação normal. Nesses casos o tratamento da desordem alimentar deve preceder o tratamento da infertilidade.
Pesquisas recentes mostram que dietas saudáveis podem melhorar a função dos ovários na síndrome dos ovários policísticos.

O excesso de exercício é, também, uma causa importante de parada de ovulação com consequente infertilidade. Também no homem o excesso de exercícios pode ter ação sobre os espermatozoides.

Outra causa importante de infertilidade que pode ser evitada pelos casais são as doenças sexualmente transmissíveis. Doença inflamatória pélvica, sífilis e gonorreia são causas de infertilidade. Sexo seguro durante toda a vida antes do casamento é uma prática que os todos jovens deveriam ter. O uso de camisinhas é altamente recomendável por todas as autoridades médicas como uma importante forma de evitar/prevenir a infertilidade causada por doenças sexualmente transmissíveis.

Idade
A fertilidade e as chances de tratamento da infertilidade diminuem com a idade. A fertilidade declina a partir de 35 anos.

Posição da relação sexual
Não parece ter influência a posição sexual no índice de sucessos de gravidez. Duchas vaginais depois da relação são sempre condenáveis tanto para mulheres que desejam engravidar como para as que não desejem.

Dias férteis
Um casal é fértil somente seis dias por mês. E muito fértil somente em menos dias. Se bem que isso não funcione quando se tenta evitar/prevenir uma gravidez; é importante para quem quer ficar grávida. Sinais externos como a temperatura basal, muco cervical e testes de LH (do inglês – Hormônio Luteinizante) na urina podem aumentar a chance de um casal encontrar sua data mais fértil durante o ciclo. Pesquisas recentes mostram que os dias mais férteis de um ciclo de 28 a 30 dias são o 12º 13° e 14º.

Temperatura do testículo
A espermatogênese, formação dos espermatozoides, ocorre em temperatura abaixo da temperatura corporal. Em homens com baixa contagem de espermatozoides é importante evitar o uso de roupas apertadas, ficar sentado muito tempo ou trabalhar perto de fontes de muito calor. Em homens com espermograma normal não parece se tornar um problema significativo.

O que pode dificultar a gravidez?

Gravidez_843664002_gravidez-imagem

Um casal pode começar a considerar que está com dificuldades para engravidar quando suspende os métodos contraceptivos e, no prazo de um ano, não tem sucesso.

Isso se os dois estiverem com a saúde em dia e a mulher tiver até 35 anos – afinal, o fator idade é um dos que mais influencia a fertilidade.

Dos 35 aos 40 anos, o tempo de espera cai para seis meses. E acima disso, três meses. Dois abortos espontâneos, em qualquer idade, também podem indicar problemas.

Se a mulher souber previamente que já tem algum problema, como síndrome do ovário policístico ou mioma, deve buscar tratamento antes de iniciar as tentativas. Uma vez tratado – o que, em alguns casos, pode levar entre três e seis meses – as chances de uma gestação saudável aumentam.

Veja a seguir os principais problemas femininos que podem dificultar a gestação:

Ausência de óvulos ou disfunção ovariana: O ovário é o órgão onde são produzidos os óvulos. As alterações ovarianas comprometem a produção hormonal; ciclo menstrual e os ovários. É necessário um exame clínico detalhado para diagnosticar possíveis distúrbios ovulatórios, sendo necessária a dosagem de hormônios. Os exames também podem identificar falência ovariana precoce, ainda que a mulher não esteja em idade comum para menopausa. Mesmo com o ovário comprometido, as mulheres menstruam normalmente e só descobrem o problema quando são submetidas a exames específicos.

Síndrome dos ovários policísticos: É causada pelo desequilíbrio na produção de hormônios, alterando todo o ciclo menstrual da mulher ou até mesmo causando a ausência do fluxo menstrual. O problema acarreta disfunção na ovulação e pode dificultar as chances de engravidar.

Endometriose: a endometriose afeta entre 15% e 20% das mulheres e muitas vezes é descoberta somente quando surge o desejo de engravidar. Ocorre quando o endométrio, tecido que reveste o útero e é eliminado durante a menstruação, atinge outros órgãos do corpo, como ovários, bexiga, trompas etc. Os principais sintomas são fortes cólicas durante e após períodos menstruais, incômodo durante relações sexuais e dores abdominais.

Obstrução tubária: para chegar ao útero, os gametas masculinos e femininos passam pelas trompas. Inflamações ou infecções podem obstruir as tubas uterinas e impossibilitar qualquer chance de gravidez.

Miomas: até 50% das mulheres podem apresentar miomas ao longo da vida, com maior incidência a partir dos 40 anos. Os miomas originam-se a partir do crescimento desordenado de células e podem afetar a função do útero. Entretanto, raramente causam infertilidade , a não ser que cresçam para dentro do útero ou quando se desenvolvem em lugares que impedem a passagem dos embriões.

Idade avançada: Quanto mais avançada for a idade, maiores serão as dificuldades para engravidar. Isso porque, com o tempo, o ovário começa a diminuir a quantidade e qualidade dos óvulos.

Aumento da prolactina: trata-se também de um distúrbio hormonal. Alterações em sua produção podem causar mudanças no ciclo menstrual e prejudicar o correto funcionamento dos ovários.

Incompatibilidade imunológica: o corpo da mulher pode “rejeitar” o embrião, porque o identifica como um invasor. É uma hipótese levantada em quadros de aborto de repetição. Tratamento específico pode resolver o problema.

Uma vez diagnosticado algum dos problemas citados, busca-se o tratamento adequado para depois voltar às tentativas de gravidez. Algumas vezes a fertilização é cogitada desde o início, como em casos de obstrução completa das duas trompas ou casos mais severos de endometriose. Mas fertilização deve ser muito bem indicada.

O que é infertilidade?

infertilidade-em-homens-e-mulheres1

Uma doença que afeta um em cada dez casais em idade fértil. A infertilidade atinge mais de seis milhões de pessoas nos Estados Unidos, homens e mulheres igualmente. No Brasil, estima-se que aproximadamente dois milhões de casais venham a apresentar algum tipo de dificuldade ao longo de suas vidas reprodutivas.

Leia o que diz Dr. Christian Ferraz sobre infertilidade:

Este Chat é Patrocinado por: IAM – Instituto de Assistência a Mulher – Ultrassom 3D e 4D. A mais alta tecnologia a serviço da vida. Venha viver essa alegria.

Reporter: Quais são as principais causas da infertilidade na mulher?

Dr. Christian Ferraz: Quando falamos de infertilidade, temos que pensar sempre no casal. Essa é chamada de infertilidade conjugal. É sempre importante o homem ser avaliado também, já que 35% das causas estão no homem, e em 45% dos casos, as causas estão na mulher.  Existem situações onde, mesmo todas as condições sendo investigadas, não são encontradas causas aparentes da dificuldade de engravidar. Essa situação é chamada de infertilidade idiopática. Na grande maioria das vezes, a causa da infertilidade pode estar envolvendo fenômenos da ovulação da mulher. A mulher produz uma semente, um óvulo, a cada quatro semanas aproximadamente, que é o período ovulatório, e é nesse período que ela se encontra fértil para engravidar. Mas nem todas as mulheres têm essa ovulação de forma tão regular. A principal condição que leva a essa dificuldade ovulatória na população feminina ainda é a síndrome do ovário policístico, ou multicístico.

Reporter: Quando o Sr. recebe no seu consultório um casal que diz estar tentando há 2 anos conseguir uma gravidez sem sucesso, como o caso é conduzido?

Dr. Christian Ferraz: O conceito atual de infertilidade fala basicamente o seguinte: A gente considera um casal com dificuldade de engravidar ou com sintomas de infertilidade, ou subfertilidade, quando esse casal tenta por mais de 12 meses uma gravidez sem sucesso. Tentar 12 meses é normal. Acima de 12 meses é considerado uma situação que merece investigação e avaliação. Por 2 anos, já se caracteriza infertilidade.  O casal deve sempre ser investigado.

Dr. Christian Ferraz é Médico Pós-graduado em Ginecologia e Obstetrícia com título de especialista brasileiro pela FEBRASGO – Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia.

INFERTILIDADE

infertilidade

Casal Infértil

O casal infértil é aquele que, com mais de um ano de relações sexuais desprotegidas (sem uso de método anticoncepcional) e freqüentes, não conseguiu engravidar.

Incidência

Dez a 20% da população de casais tem problemas para procriar. A incidência de infertilidade é diretamente proporcional a idade da mulher. No Brasil existem cerca de 15 milhões de casais inférteis.

Grau

A infertilidade pode ser primária ou secundária:

Infertilidade Primária:
O casal nunca engravidou antes.
Infertilidade Secundária:
O casal já teve uma gestação anterior.

Causas

A infertilidade pode ser devido a:

Causa feminina (aproximadamente 30%)
Causa masculina (aproximadamente 30%)
Causa mista – masculina e feminina (aproximadamente 30%)
Infertilidade sem causa aparente (aproximadamente 10%)

Infertilidade Feminina

Causa ovulatória:
Quando não ocorre a ovulação. Nesses casos, geralmente o ciclo é irregular. A anovulação (ausência de ovulação) pode ser de causa central ou periférica.
Causa Tubária:
Quando as trompas têm funcionamento inadequado ou estão obstruídas. Pode ser secundária à infecção pélvica, após cirurgias na pelve ou endometriose.
Causas uterinas:
Alterações anatômicas do útero como septos, miomas, pólipos endometriais, infecções uterinas.

Investigação dos Fatores Femininos

Fator Ovulatório

Regularidade do ciclo menstrual
Dosagem de progesterona na 2ª fase do ciclo
Biópsia de Endométrio
Pode haver indicação de outros exames hormonais

Fator Tubáreo e peritoneal

Histerossalpingografia (Rx contrastado da cavidade uterina e trompas)
Histerossonosalpingografia (Avaliação da permeabilidade tubária por método ultrassonográfico)
Videolaparoscopia

Fator Uterino

Histerossalpingografia
Histeroscopia (visualização da cavidade uterina)

Infertilidade Masculina

Avaliação

História de gestações anteriores
Consulta com urologista
Espermocitograma

Valores normais do espermograma segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde

Volume: 1,5 – 6 ml
ph: 7 – 8
Concentração: > 20 milhõe/ml
Motilidade: > 50%(a + b) > 25% (a)
Morfologia: > 30% normais
Vitalidade: > 50%
Leucócitos: 1milhão/ml

Infertilidade Sem Causa Aparente

Sempre que os ciclos forem ovulatórios, o espermograma normal e as trompas tiverem função adequada, estaremos frente ao diagnóstico de Infertilidade Sem Causa Aparente.

Tratamentos

Os tratamentos são dirigidos à causa da infertilidade. Seu médico, após a investigação poderá lhe orientar sobre as diversas possibilidades terapêuticas.

Fatores Prognósticos nos Tratamentos para Infertilidade

Idade da mulher:
Provavelmente é o fator prognóstico mais importante para o sucesso dos tratamentos. Mulheres após os 40 anos apresentam diminuição significativa da fertilidade.
Tempo de infertilidade:
O prognóstico é melhor quando existe menos de 3 anos de infertilidade, principalmente naqueles casais com infertilidade sem causa aparente.
Infertilidade secundária:
São casos considerados de melhor prognóstico quando o casal já tem filhos.

Falta de higiene bucal pode afetar fertilidade, diz estudo

dentes-amarelos-como-limpar222

Um estudo da Austrália sugere que problemas de saúde bucal podem afetar a fertilidade feminina. A pesquisa da Universidade do Oeste da Austrália sugere que uma higiene bucal precária é tão ruim para a fertilidade de uma mulher quanto a obesidade, fazendo com que elas demorem em média dois meses a mais para engravidar.

Os cientistas apresentaram a pesquisa em uma conferência sobre fertilidade na Suécia. Segundo os pesquisadores, mulheres com gengivas doentes precisaram de sete meses para conceber, comparados com o prazo considerado normal, de cinco meses.

De acordo com os pesquisadores, a causa pode estar ligada à doença periodontal, caracterizada por inflamação na gengiva. Se esta não for tratada, poderá desencadear uma série de reações capaz de prejudicar o funcionamento normal do corpo.

A doença periodontal já foi ligada à doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e aborto, além de baixa qualidade do esperma em homens.

“Até agora não existiam estudos publicados que investigavam se a doença nas gengivas pode afetar as chances de uma mulher conceber, então este é o primeiro relatório que sugere que a doença na gengiva pode ser um dos vários fatores que podem ser modificados para mulher melhorar as chances de uma gravidez”, afirmou Roger Hart, professor líder da pesquisa.

Inflamação

O estudo da Universidade do Oeste da Austrália contou com a participação de mais de 3,5 mil mulheres.

Aquelas com problemas de gengiva apresentaram níveis elevados de marcadores para inflamação no sangue.

De acordo com o líder da pesquisa, Roger Hart, mulheres que estão tentando ter um filho agora precisam passar antes no dentista além de parar de fumar, beber, manter um peso saudável e tomar suplementos de ácido fólico.

“É bom senso aconselhar a mulher a ter certeza de que está saudável se ela quer tentar ter um filho”, disse o especialista em fertilidade britânico Allan Pacey.

Fonte: IG

Tempo de Espera para Engravidar

Infertilidade

Alguns pontos são importantes:

Deve haver pelo menos um ano de tentativa de engravidar espontaneamente (sem tratamento).

Isso significa ter relações sexuais frequentes, principalmente na janela fértil.

A janela fértil é aproximadamente entre o 12º e 15º dia na maioria dos casais.

Muitos casais acham que não podem engravidar após uma ou duas tentativas, e isso não é correto. O tempo mínimo de espera é um ano.

Após um ano de tentativa deve ser procurado um médico ginecologista para realizar exames que fazem parte da pesquisa básica de fertilidade.

Em mulheres acima de 35 anos é recomendável procurar um especialista em reprodução humana se não engravidar em seis meses.

Os miomas diminuem a fertilidade?

infertilidade

Embolização dos Miomas serve como tratamento da infertilidade?

Para responder essa pergunta é necessário antes responder outra: Os miomas diminuem a fertilidade?

A relação entre miomas e infertilidade ainda não está bem definida. Sabe-se que somente 1-3% dos pacientes que sofrem de infertilidade a causa principal é a miomatose, embora a presença dos miomas possa ocorrer numa freqüência muito maior. A diferenciação das causas é muito importante, pois muitas vezes o mioma é apenas um coadjuvante num problema maior e o médico com formação em reprodução humana é o recomendado para essa avaliação. O mioma submucoso, quando tratado aumenta a fertilidade.
Quando há necessidade do tratamento dos miomas, várias técnicas podem ser propostas, mas devem ser avaliadas de forma individual. A histectomia, cirurgia de retirada do útero, embora seja um solução definitiva, inviabiliza qualquer possibilidade de uma gestação posterior, então, deve ser evitada sempre que possível para a mulher em idade fértil com intenção de ter filhos. A miomectomia consiste na retirada dos miomas por videolaparoscopia, cirurgia aberta tradicional ou vaginal por histeroscopia cada qual com suas vantagens e desvantagens.
Atualmente, uma técnica minimamente invasiva está sendo cada vez mais utilizada, a embolização dos miomas, ou melhor, embolização da artéria uterina. A embolização é um procedimento endovascular, ou seja, é feito por cateteres e punção, ao invés de cortes cirúrgicos. É colocada, através desses cateteres, uma substancia que vai impedir a alimentação sangüínea desses miomas, causando uma isquemia controlada e consequente morte desses miomas por falta de sangue.

Cirurgia de redução de peso pode influenciar na fertilidade

imageone

A cirurgia de redução gástrica pode ter ajudado a devolver a fertilidade de um grupo de mulheres obesas, que não podiam ter filhos devido a um desequilíbrio hormonal causado pela SOP (síndrome do ovário policístico).

Os pesquisadores analisaram os históricos médicos de 566 mulheres com obesidade mórbida que se submeteram a cirurgia de redução de estômago. Os registros de nove anos incluíam 31 pacientes diagnosticadas com a SOP antes da cirurgia. Algumas das mulheres com SOP não queriam ter filhos e outras estavam na pós- menopausa. Porém, segundo os pesquisadores, as seis pacientes que queriam ter filhos conseguiram conceber três anos após ter feito cirurgia. Todas haviam perdido uma quantidade significativa de peso.

Mohammad Jamal, autor do estudo e professor clínico assistente de cirurgia dos Hospitais da Universidade de Iowa, afirmou ser muito cedo para se recomendar a cirurgia para as mulheres obesas com SOP. Contudo, a cirurgia bariátrica muitas vezes melhora os níveis de açúcar no sangue e pode reduzir a resistência à insulina, o que os estudos relacionaram à SOP, observa ele.

A descoberta foi apresentada em um encontro da Sociedade Americana de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, em Orlando, na Flórida.

Fonte: The New York Times

Big brother embrionário: a nova moda das clínicas de reprodução

embriaoFoto EPARBM

Centros de reprodução privados de São Paulo têm vendido um novo diferencial nos tratamerntos de fertilização in vitro: equipamentos que monitoram o embrião 24 horas e permite com que o casal acompanhe o desenvolvimento embrionário de casa, na tela do computador ou da TV. Ainda que esse aparelho tenha uma vantagem real (dispensa a necessidade de se retirar o embrião da incubadora para ser examinado), fico me perguntando qual será o impacto emocional dessa nova tecnologia aos casais tentantes.

Atualmente, os casais só vêem “a cara” do embriãozinho na hora da transferência. É um momento emocionante e, não raras as vezes, a mulher já sai da clínica acreditando que esteja carregando um filho na barriga. Recebe todas as orientações para se comportar como se já estivesse grávida (nada de peso, atividade física ou relações sexuais). Portanto, quando vem a menstruação ou quando o teste do Beta HCG dá negativo, a tristeza é imensa porque a sensação é de um verdadeiro luto.

Fico imaginando agora você poder acompanhar o seu embrião de casa. Um, dois, três dias (o tempo que, em geral, ele fica em cultura até atingir um número de células suficientes para transferência para o útero). Você ali, observando aquele amontoado de células se multiplicando e fazendo planos para aquele suposto filho que ainda não foi gestado.

Será que, em algum momento, você vai lembrar das cruéis estatísticas? De que, na melhor das hipóteses, são apenas 30% de chances de aquelas células se transformarem no bebê dos seus sonhos? Acho que não. Até a mais racional das mulheres se permite a sonhar nesses momentos e esquecer as lições da estatística e da lógica.

Para os centros de reprodução, “o big brother” embrionário pode render boas ações de marketing e poderá agradar muita gente. Talvez esse “mimo” também tenha um custo maior no preço final do tratamento ainda que não mencionado.  Mas não vejo como ele possa ajudar no aspecto emocional. Vou ainda mais longe. Penso que ele seja um estressor a mais num momento de extrema fragilidade, ou seja, quando o tratamento falha. É só um palpite. Esperemos para ver.

Escrito por Cláudia Collucci