Arquivo da categoria: Pergunte ao Doutor

MIOMA

saude-da-mulher

Miomas ou fibromas são tumores benignos do útero, consistindo em uma desordem hormonal que causa um enovelamento das fibras musculares e assim, forma nódulos nesse órgão. Geralmente, localizam-se no trato genital. Possuem uma coloração esbranquiçada e sua consistência é firme. Em sua maioria, os miomas são múltiplos.
Fibroma é uma doença que afeta cerca de 50% das mulheres, em sua maioria de pele negra. Outros fatores que elevam a propensão do desenvolvimento do mioma são a obesidade e a nuliparidade (não ter filhos).
O estrogênio é o principal causador dessa doença. Por isso, a maior incidência de miomas ocorre no período máximo da reprodutividade feminina, até a chegada da menopausa.

TROMBOEMBOLISMO VENOSO

Mulher-com-dor

Tromboembolismo venoso (TEV) é o termo empregado para designar a combinação de duas doenças, a trombose venosa profunda (TVP) e a embolia pulmonar (EP). A trombose venosa profunda é uma doença causada pela formação de coágulos no interior das veias profundas, geralmente nos membros inferiores. E embolia pulmonar é a obstrução das artérias do pulmão causada pela formação de coágulos (trombo).

É uma doença decorrente de condições variadas, adquiridas ou congênitas. Dentre os principais fatores de risco para o desenvolvimento dessa doença estão:
• Cirurgia e Trauma;
• Idade;
• Obesidade;
• Câncer;
• Gravidez e pós-parto;
• Tabagismo;
• Varizes;
• Uso de anticoncepcional.

Apesar de serem duas doenças combinadas, o tratamento do Tromboembolismo venoso deve ser único. É uma doença de alto risco, podendo levar a óbito caso não ocorra o tratamento adequado.

Pergunte ao Doutor

Ginecologista Christian Ferraz tira dúvida de leitoras

Este Chat é Patrocinado por: IAM – Instituto de Assistência a Mulher – Ultrassom 3D e 4D. A mais alta tecnologia a serviço da vida. Venha viver essa alegria.

Eliane diz: Existe algum teste de fertilidade? Como é possível saber se existe algum problema de fertilidade?

Dr. Christian Ferraz responde:

Audio clip: Adobe Flash Player (versão 9 ou superior) é necessária para desempenhar este clipe de áudio. Download da última versão aqui . Você também precisa ter o JavaScript habilitado no seu navegador.

Vanessa diz: Quem tem mioma, pode desenvolver endometriose?

Dr. Christian Ferraz responde:

Audio clip: Adobe Flash Player (versão 9 ou superior) é necessária para desempenhar este clipe de áudio. Download da última versão aqui . Você também precisa ter o JavaScript habilitado no seu navegador.

Ana diz: Fiz um preventivo recentemente e descobri que estou com HPV. Tem cura?

Dr. Christian Responde:

Audio clip: Adobe Flash Player (versão 9 ou superior) é necessária para desempenhar este clipe de áudio. Download da última versão aqui . Você também precisa ter o JavaScript habilitado no seu navegador.

Dr. Christian Ferraz é Médico Pós-graduado em Ginecologia e Obstetrícia com título de especialista brasileiro pela FEBRASGO – Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia.

A Importância do Pré-Natal para a Saúde

O pré-natal é a assistência que se dá à mulher a partir do momento em que ela engravida, no qual o médico procura diagnosticar e tratar doenças preexistentes, da realização de um diagnóstico precoce de qualquer alteração tanto da mãe quanto do feto para que dentro das possibilidades existentes hoje elas possam ser corrigidas.

O pré-natal é muito importante para que se tenha uma assistência também psicológica e emocional para a mulher, pois este é um período onde a mulher vive uma fase mais sensível, mais emotiva, onde surgem muitas dúvidas e medos. E é fundamental que possamos também orientá-las e ajudá-las a se situar de uma maneira equilibrada e tranqüila, simplesmente voltada às sensações boas e novas que ela começa a apresentar. Através de um acompanhamento é possível assegurar maior equilíbrio à gestante.

Regularidade

No pré-natal tem-se inicialmente consulta mensal e depois que a paciente chega à gravidez a termo, passamos a ter consultas com intervalos menores, dependendo de cada caso. Durante essas consultas mensais é claro que qualquer coisa que aconteça de diferente este intervalo pode mudar, comenta.

corrimentos ou vaginite

pergunte-ao-doutor

Um dos mais comuns e mais irritantes problemas que afetam a saúde da mulher é o corrimento vaginal, também chamado de vaginite. É uma das causas mais frequentes de visita ao médico ginecologista.

Caracteriza-se por uma irritação vaginal ou um corrimento anormal que pode ou não ter cheiro desagradável. Pode haver também coceira ou ardor na vagina ou vontade mais frequente de urinar.

Os corrimentos podem ser causados por:

•    infecções vaginais
•    vulvites e vulvovaginites
•    infecções cervicais ou do colo do útero
•    doenças sexualmente transmissíveis

Pergunte ao Doutor

pergunte_ao_dr_600

Leitora diz: Sou casada, tenho 30 anos e quatro filhos Fiz uma consulta na qual constataram a presença de papiloma em meu seio. Gostaria de saber quais as causas desse papiloma e suas conseqüências.

Resposta: Durante o período de amamentação, a produção do leite ocorre no tecido da mama. Posteriormente, o leite materno escorre do interior da mama até o bico do seio. Papiloma é a presença de lesão com projeções para para dentro desses canais. Existem duas formas de lesões: papiloma solitário e papilomas múltiplos. O papiloma solitário ocorre mais próximo do bico do seio e causa o aparecimento de secreção escura. Os papilomas múltiplos localizam-se mais no interior da mama A maioria dessas lesões é benigna, mas existe a possibilidade de elas estarem associadas ao câncer. Devido a isso, a conduta terapêutica é a biópsia da lesão.

MITOS E VERDADES SOBRE A VACINA CONTRA O HPV

vacina1

Diante dos casos de possível reação à vacina contra o HPV, o papilomavírus humano, que tiveram enorme repercussão na mídia, uma dúvida paira na cabeça dos pais: ”Será que preciso mesmo vacinar minhas filhas contra o vírus?”.
A resposta é sim, e elas só estarão protegidas se tomaram as três doses indicadas da vacina. ”Hoje, a OMS não admite mais o licenciamento de uma vacina se não houver mais de 20 mil pessoas envolvidas no estudo, que tem de passar por inúmeras fases e testes em animais. Há regras rígidas de produção e na vigilância de eventos adversos”, tranquiliza a médica Isabella Ballalai, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

PERGUNTE AO DOUTOR

O objetivo dessa seção é orientar sobre dúvidas frequentes, contudo, as respostas apresentadas não substituem a consulta médica.

- Envie sua dúvida caso ela não esteja respondida aqui.

Grande parte das questões reproduzidas abaixo, certamente são comuns a muitas outras mulheres. Não deixe de perguntar, tire suas dúvidas e fale conosco! É um prazer interagir com os nossos amigos internautas.

Vamos às perguntas:

- Tomo pílula há 20 anos. Fiz durante muitos anos o regime contínuo. Posso ter dificuldades para engravidar?

Resposta: Negativo. O retorno da menstruação é rapidamente normalizado após a suspensão do tratamento contraceptivo. Não há evidências de que o regime contínuo possa prejudicar a mulher. Na verdade, estudos comparativos deixam claro: o tempo de retorno à fertilidade é quase o mesmo entre mulheres que usam o método contínuo ou com pausa.

- Em que dia devo começar a tomar as pílulas de baixa dosagem?

Resposta: Pílulas de baixa dosagem, as mais comuns atualmente, devem ser tomadas a partir do primeiro dia da menstruação, uma por dia, sempre no mesmo horário. Não é necessário que o horário seja rígido. Duas horas antes ou duas horas depois não farão muita diferença nos resultados.

- Tive uma relação sexual ontem e a camisinha estourou. Posso usar a pílula do dia seguinte?

Resposta: A pílula do dia seguinte, ou pílula de emergência, ou pílula pós-coital serve para mulheres que não estão usando nenhum método anticoncepcional e têm uma relação inesperada no período fértil, ou quando o preservativo masculino ou feminino rompe, desliza ou perfura exatamente nesse período. Essa pílula contém apenas um hormônio derivado da progesterona.

O primeiro comprimido deve ser tomado o mais depressa possível, e o segundo, e último, 12 horas depois do primeiro. Pode-se também tomar os dois comprimidos de uma vez. O início do tratamento deve ocorrer idealmente nas primeiras 24 h, mas os comprimidos podem ser tomados até cinco dias após a relação.

Quando a pílula do dia seguinte é tomada nas primeiras 24 horas depois da relação, o índice de falha não é maior do que 2%. Se tomada entre 24 e 72 horas depois, o índice sobe para 5%. A partir de 72 horas ou três dias, a eficácia diminui.

- A pílula anticoncepcional engorda?

Resposta:  Como a maioria das mulheres usam pílulas anticoncepcionais sem prescrição médica, pode-se dizer que a maioria das mulheres tende a engordar ao usar a pílula. Hoje existem diversas pílulas sem estes efeitos. A ida ao(a) ginecologista é essencial para que ele(a) prescreva a pílula que esteja de acordo com o perfil da mulher, proporcionando benefícios adicionais além da proteção de uma gravidez não programada.

- Tenho cólicas menstruais horríveis todo mês. Isso é sinal de endometriose?

Resposta: As dores originadas pela endometriose aparecem todos os meses, não passam com medicação e, em alguns casos, incapacitam a mulher, deixando-a de cama. Em casos mais avançados da doença, quando a inflamação do tecido na cavidade abdominal é grande, as dores podem aparecer durante o ato sexual ou mesmo no intervalo entre períodos menstruais. Dores intensas no período menstrual merecem a investigação por parte do ginecologista. Um bom diagnóstico da doença pode ser feito através de uma consulta de qualidade.

- O que é endometriose? Quais são os tratamentos existentes para ela?

Resposta: Endometriose é uma doença caracterizada pela presença de tecido endometrial (tecido que reveste o útero internamente) fora do útero.

O tratamento depende da idade da paciente, da extensão da doença, da gravidade dos sintomas, da duração da infertilidade e das pretensões reprodutivas do casal.

Os tratamentos incluem desde a observação em pacientes assintomáticas e não desejosas de gestação, uso de analgésicos para a dor moderada, a interrupção dos ciclos menstruais com anticoncepcionais combinados orais usados de modo continuo por 6-12 meses, progesterona de uso diário ou depósito (injetável), medicamentos que inibem o funcionamento dos ovários e os tratamentos cirúrgicos, destruindo o tecido endometrial, removendo todas as lesões e restaurando a anatomia pélvica tanto quanto possível.

A ressecção das lesões por laparoscopia aumenta as chances de gestação em mulheres inférteis. Os sintomas e o desejo de engravidar vão determinar a terapia mais adequada.

Útero retrovertido e gravidez

O útero retrovertido é uma variação anatômica do útero, ou seja, esta voltado para a região posterior do corpo, como se estivesse de ponta cabeça e virado para trás. Cerca de 25% das mulheres apresentam o útero retrovertido que a acompanhará durante todo sua vida, sem afetar em nada sua condição física. Existem dois tipos de úteros retrovertido o fixo e o móvel, sendo que o móvel pode causar dores durante as relações íntimas e alguns incômodos durante a menstruação, o fixo é considerado um pouco mais problemático, pois pode causar dores pélvicas crônicas, dor ao urinar e fortes cólicas menstruais.

A grande dúvida das mulheres com o útero retrovertido é em relação à gravidez, se é possível engravidar com esta condição.

Útero retrovertido dificulta gravidez?

O útero retrovertido não traz sérias consequências para as mulheres que querem engravidar, mas pode haver sim uma maior dificuldade. A mulher que possui o útero retrovertido é mais suscetível à endometriose – quando o endométrio, camada que reveste o interior do útero está fora do órgão – que muitas vezes podem sangrar e causar certa ardência pélvica. Essa ardência pode causar o enrijecimento das trompas, e sem a mobilidade das trompas a fecundação fica mais difícil, porque é onde acontece a fecundação. A mulher que já está grávida não precisa se preocupar, pois o útero retrovertido não trará consequências nem para a mãe e nem para o bebê.

Útero retrovertido sintomas

Os sintomas do útero retrovertido nem sempre ocorrem, mas quando surgem geralmente vem em forma de dor crônica pélvica e lombar, dor nas relações íntimas, dismenorreias (que são cólicas muito intensas no período menstrual), dor ao urinar e evacuar entre outros sintomas que irá variar de mulher para mulher. O útero retrovertido é diagnosticado em exames ginecológicos de rotina, por isso é muito importante não deixar de ir a um médico.

Útero retrovertido tratamento

O útero retrovertido não é classificado exatamente como uma doença, por isso não há necessidade de tratamento. Mas em alguns casos o útero retrovertido pode de alguma forma interferir na saúde da mulher, por isso pode haver a necessidade de um tratamento por meio do uso de hormônios. Lembre-se sempre que apenas um médico poderá avaliar melhor a condição do útero retrovertido.

A mulher que tem o útero retrovertido não necessariamente terá problemas para engravidar, porém poderá surgir outros problemas relacionados ao colo do útero, por isso o exame médico é fundamental.

Pergunte ao doutor

pergunte-ao-doutor

PERGUNTA:Quais os sintomas da candidíase vaginal e como tratá-los?


A candidíase é uma doença causada por fungo, que pode ou não ser provocada pelo contato sexual. O uso de roupas úmidas e a baixa de resistência são outras causa comuns de candidíase. Ela produz sintomas tais como: prurido, ardor, dor na relação sexual, dificuldade para urinar e corrimento esbranquiçado. Não costuma apresentar cheiro. Os medicamentos que combatem a doença são baseados em substâncias conhecidas como antifungicidas. É importantíssimo observar alguns cuidados ao longo do tratamento como evitar roupas muito justas, não usar duchas vaginais e controlar doenças como o diabetes e as que deprimem o sistema auto-imune como disfunções da tireóide.

PERGUNTA:Existem casos de candidíase recorrente?

Existem e são muito comuns. Quando ela se instala dessa forma é necessário um tratamento mais específico e prolongado no tempo, de quatro até seis meses.
Há possibilidade de os sintomas persistirem mesmo após o tratamento da candidíase?
É quando a doença se torna recorrente. Infelizmente isso ocorre em alguns casos e daí a necessidade de maior investigação e especificidade do tratamento.

PERGUNTA:Olá, estou com um probleminha. Tenho uma coceira na minha vagina e está ocorrendo um corrimento, de cor amarelada e odor forte. Meu marido está com uma coceira na cabeça do pênis. Em outras ocasiões que me aconteceu isso fui à minha médica e ela me receitou um remédio chamado “DEPROZOL- secnidazol 1g”. Agora voltou e ela esta viajando. Será que meu marido pode tomar, ou devemos ir a outro médico juntos?

Em hipótese alguma você deve usar a medicação anterior para resolver o problema. O uso de cremes vaginais sem acompanhamento médico é um fator potencial de corrimentos recorrentes. A maioria dos produtos usa o propileno glicol como “veículo” para incorporar o medicamento e muitas mulheres desenvolvem alergia a esta substância química. Se elas estão em tratamento médico, o ginecologista pode observar a reação, observa Iara Linhares. Existe até um medidor químico para isso, o teste Caugranulin B, que o médico deve usar para confirmar a alergia e corrigir o tratamento. “Mas é muito comum ver mulheres utilizando o mesmo creme que seu ginecologista receitou da última vez”, diz a médica. “E aí se instala um círculo vicioso.

Melhor método contraceptivo depende de cada mulher

pergunte-ao-doutor

Existem vários métodos disponíveis para ajudar a evitar a gravidez, alguns muito mais conhecidos, como os preservativos e pílulas anticoncepcionais. Decidir qual é o melhor método para você pode ser difícil porque há muitas questões a considerar, incluindo os custos, os planos de uma futura gravidez, os efeitos colaterais, entre outros.

O melhor método é aquele que você irá utilizar de forma consistente, é aceitável para você e seu parceiro, e não causa efeitos colaterais incômodos. Outros fatores a considerar incluem:

-Qual é a eficácia do método?
-É conveniente? Vou me lembrar de usá-lo?
-Tenho que usar / tomar todos os dias?
-Este método é reversível? Posso engravidar logo após parar de usar?
-Será que este método me fará sangrar mais ou menos?
-Existem efeitos colaterais ou complicações em potencial?
-Este método é acessível do ponto de vista financeiro para mim?
-Será que este método me protege contra doenças sexualmente transmissíveis?

Nenhum método de controle de natalidade é perfeito. Você deve pesar as vantagens e desvantagens de cada um e, em seguida, escolher o que você será capaz de utilizar de forma consistente e correta pelo tempo que achar necessário.

Vou falar um pouco sobre os métodos disponíveis, lembrando que só a sua ginecologista pode prescrever o seu método, então é importante discutir em consulta todas as possibilidades para juntas escolherem:

Contracepção de emergência: A contracepção de emergência, também chamada de pílula do dia seguinte, refere-se ao uso de medicamentos hormonais em doses altas para evitar a gravidez. Você pode usar a pílula do dia seguinte se esquecer de tomar a pílula anticoncepcional, se a camisinha estourar durante o sexo, ou se você tiver relações sexuais desprotegidas por outras razões (incluindo as vítimas de violência sexual). Mas é importante lembrar que só deve ser usada em casos especiais, a pílula do dia seguinte não deve ser o seu método de rotina.

Muitas jovens têm usado a pílula do dia seguinte como método de rotina por não ter coragem de ir ao ginecologista, algumas porque os pais ainda não sabem que já tem vida sexual ou por simples vergonha. É preciso mudar isso, os pais devem incentivar as meninas a irem à ginecologista, independente de vida sexual.

Pílula anticoncepcional: A maioria das pílulas anticoncepcionais contém uma combinação de dois hormônios femininos, o estrógeno e a progesterona. Devem ser tomados todos os dias, um comprimido por dia, sempre no mesmo horário. Se você esquecer um comprimido, pode ingerir outro até 12 horas depois, sem correr riscos. Depois desse prazo, deve associar outro método até a próxima cartela. Também existem pílulas apenas com progesterona, elas são usadas por mulheres que não podem usar estrógeno, como fumantes e mães que estão amamentando por exemplo. Nem toda mulher pode tomar pílulas e existem diversas combinações diferentes de hormônios. Só o médico poderá avaliar a mulher, levando em consideração seus antecedentes pessoais de saúde e doença e decidir qual é a melhor para aquela mulher naquele momento da sua vida.

Injetáveis: Existem basicamente dois tipos disponíveis no Brasil: os mensais com estrógeno e progesterona e os mensais ou trimestrais somente com progesterona. Funcionam como as pílulas por serem métodos hormonais, mas devem ser aplicados apenas uma vez ao mês ou a cada três meses, dependendo do tipo. É um método interessante para pessoas que tem dificuldade de lembrar-se de tomar as pílulas, como, por exemplo, as adolescentes, e no caso dos injetáveis só com progesterona para as mães em aleitamento.

Adesivos: Contém dois hormônios: estrogênio e progesterona, semelhante à pílula. O patch é tão eficaz quanto a pílula e pode ser preferido por algumas mulheres, por não ter que tomar todos os dias. Você usa o patch por uma semana no braço, ombro, costas ou do quadril. Depois de uma semana, remove o adesivo velho e aplica um novo, repetindo isso por três semanas. Durante a quarta semana, você não usa nenhum adesivo e seu período menstrual ocorre. Os riscos e efeitos colaterais do patch são semelhantes aos de uma pílula.

Anel vaginal: Um anel de plástico flexível vaginal que contém estrogênio e progesterona. Você usa o anel na vagina, onde os hormônios são absorvidos mais lentamente pelo organismo. Ele evita a gravidez, semelhante a uma pílula anticoncepcional. Você usa o anel no interior da vagina durante três semanas, e, na quarta semana, você não utiliza e a menstruação virá. O anel não costuma ser perceptível no dia a dia, e é fácil para a maioria das mulheres a inserção e remoção. Você pode tirar o anel por até três horas, se desejado, em casos como durante a relação sexual. Os riscos e efeitos colaterais do anel vaginal são semelhantes aos das pílulas anticoncepcionais.

Implante: é uma pequena haste que contém progesterona. O hormônio é liberado lentamente por até 3 anos. Ele é inserido por um médico em seu braço no próprio consultório, com uma injeção, e fica embaixo da pele. Já é eficaz depois de 24 horas da inserção. O sangramento irregular é o efeito colateral mais incômodo, porém muitas pacientes podem ficar sem menstruar enquanto estiverem com o implante. A maioria das mulheres pode engravidar logo após a haste ser removida, se quiser. Também é considerado um bom método para adolescentes, devido à longa duração, chances de ficar sem menstruar e por não ter que se lembrar de tomar medicação ou trocar adesivo ou anel.

DIU com hormônio: DIU liberador de levonorgestrel libera este hormônio, que engrossa o muco cervical e afina o endométrio (revestimento do útero). É um corpo estranho dentro do útero como o DIU comum. Este DIU também diminui a quantidade de sangue durante a menstruação e pode diminuir as cólicas. Pode ser deixado no local por até cinco anos e é altamente eficaz na prevenção da gravidez. Algumas mulheres deixam de ter períodos menstruais completamente, mas o efeito é revertido quando o DIU é removido.

Além dos métodos hormonais, dos DIUs e, claro, dos preservativos que devem ser sempre associados a qualquer método por conta da prevenção de DSTs, temos os métodos definitivos, que só são indicados para pessoas que já tenham mais de 25 anos e /ou tenham dois ou mais filhos vivos, segundo a Lei de planejamento familiar brasileira.

Dentre eles temos a laqueadura tubárea e a esterilização por histeroscopia, para as mulheres, e a vasectomia para os homens.

A esterilização por histeroscopia é o que há de mais inovador nessa área, pois é um procedimento que não necessita de internação hospitalar, pode ser feito sem anestesia e a mulher pode voltar às suas atividades no dia seguinte ou no mesmo dia, já que não há cortes ou costuras. O procedimento consiste na colocação de dispositivos dentro das tubas uterinas e o acesso às tubas é feito pela vagina e colo do útero com o histeroscópio (instrumento que contém uma câmera e possibilita a visualização do útero por dentro), ou seja, são utilizados os orifícios naturais da mulher.

Em suma, o que não faltam são opções. Então, depois de ler a respeito, agende uma consulta com sua ginecologista, leve suas dúvidas anotadas e, juntas, escolham o seu método!

VOCÊ TIRANDO DÚVIDAS COM O GINECOLOGISTA

pergunte-ao-doutor

PERGUNTA:Gostaria de saber se há alguma possibilidade de engravidar (sem inseminação) no meu caso. Eu fiz laqueadura por um problema de gravidez nas trompas. Já houve algum caso raro desse tipo?

De fato é muito raro mas existe sim a possibilidade de engravidar com laqueadura. A probabilidade é de 4 casos em mil mulheres.

PERGUNTA:Olá, estou a tentar engravidar já há 6 meses e sem sucesso.Na minha última ida ao ginecologista ela me diagnosticou ovários policisticos. A minha dúvida é que eu sempre fui muito regular a menstruar,principalmente depois de ter tomado pílula durante 6 anos, e em tudo o que li é referido que um dos sintomas é ser bastante irregular. Será que se pode ser regular e ter este problema nos ovários?
Já estou tomando medicação para ovular e quanto tempo devo tentar engravidar até ir novamente ao ginecologista? Obrigada pela ajuda

Infelizmente o que contece com você é o que acontece com a maioria das mulheres que tem ovários policísticos. Durante o uso da medicação anticoncepcional a menstruação parece regular, não por sua causa e sim por conta do anticoncepcional. E você acaba achando que não tem problema.Com relação a quanto tempo irá demorar para engravidar isso é imprevisível.

PERGUNTA:Olá, meu marido fez vasectomia há dez anos. Sou sua segunda mulher e gostaria de engravidar. Nós sabemos da cirurgia de reversão só que o procedimento é muito caro. Existiria algum outro método de engravidar nesta situação?

Após a realização de vasectomia ou laqueadura, que são métodos definitivos para
evitar uma gravidez, só é possível engravidar com a reversão cirúrgica desses métodos ou por meio de fertilização assistida. Você terão de procurar um especialista.

PERGUNTA:Olá, tenho 23 anos e descobri depois de sentir muita dor que tenho mioma. É pequeno (38mm) mas tive vária hemorragias e dores como se fossem cólicas. Fiz um tratamento com Zoladex (3,6mg). Usei quatro meses. Meu médico disse que já estava controlado, que o mioma tinha regredido , mas tive muitas reações desagradáveis: problemas de tireóide , aumento de peso absurdo, muita queda de cabelo. Gostaria de saber se um mioma pequeno na parede fundica causa essas dores e, também, se consigo engravidar com ele. Ou deveria operar. Obrigada.

É muito improvável que um mioma tão pequeno esteja causando essas dores tão
fortes. Você já fez exames para descartar a possibilidade de uma endometriose?
Quanto a gravidez , consulte nossa página de perguntas e respostas sobre o mioma e gravidez.

PERGUNTA:Eu e meu marido estamos tentando ter um bebê. Parei de tomar o anticoncepcional há quatro meses, mas não tenho observado o tipo de muco cervical que identifica o dia fértil. Verifico que minha temperatura cai (por volta dos 36º) perto do 17º dia do ciclo e depois sobe e fica em 36.8o até a menstruação. Quanto tempo pode demorar até que consiga engravidar?

O prazo de acontecer uma gravidez depois de parar o anticoncepcional e começar a tentar é de um ano.

MITO OU VERDADE?

duvida1-300x215

É preciso parar de tomar a pílula para evitar o excesso de hormônios no corpo?

Mito. Mulheres de todo o mundo usam a pílula para evitar uma gravidez não planejada por vários anos, e muitas delas tem a mesma dúvida: será que não dar uma pausa nos hormônios faz mal para o meu organismo?

Falar que é preciso dar um intervalo no uso de anticoncepcionais orais não passa de mito. As pílulas evoluíram muito desde seu lançamento e os laboratórios farmacêuticos trabalham constantemente para aprimorá-las cada vez mais.

As pílulas mais modernas comercializadas atualmente são, em sua maioria, constituídas pela combinação de dois hormônios – estrogênio e progesterona –, sendo ambos em baixa quantidade. Esses hormônios são sintéticos, ou seja, desenvolvidos em laboratório, o que reduz ainda mais a possibilidade de apresentar algum efeito colateral. Além disso, o uso contínuo de anticoncepcionais hormonais trazem outros benefícios para as mulheres além de evitar a gravidez, como a diminuição das cólicas menstruais, do fluxo menstrual e das espinhas.

Programa de Rádio com o Dr. Christian Ferraz

Em seu programa semanal de rádio, “Vida e Saúde”, o Ginecologista Dr. Christian Ferraz falou sobre o exame pré-natal. Ouça a entrevista clicando no play.

Audio clip: Adobe Flash Player (versão 9 ou superior) é necessária para desempenhar este clipe de áudio. Download da última versão aqui . Você também precisa ter o JavaScript habilitado no seu navegador.

Dr. Christian Ferraz é Médico Pós-graduado em Ginecologia e Obstetrícia com título de especialista brasileiro pela FEBRASGO – Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia.

Pergunte ao Doutor

Este Chat é Patrocinado por: IAM – Instituto de Assistência a Mulher – Ultrassom 3D e 4D. A mais alta tecnologia a serviço da vida. Venha viver essa alegria.

Internauta: “Vibrador” alarga a vagina?

Dr. Christian Ferraz: O uso de instrumentos para o prazer tem virado indústria. A curiosidade das pessoas ajuda a fomentar esse mercado. O uso desses instrumentos, a exemplo de pênis artificial e “vibradores”, não atrapalha a vida da mulher; não elastece a vagina. Às vezes me questionam sobre a plástica vaginal, alegando que a mesma teria perdido o efeito. Isso não acontece; o que acontece é que o corpo da mulher envelhece. Como o corpo envelhece, a musculatura perde tônus, acarretando mais flacidez com a idade. O “vibrador” não alarga a vagina. Lá na frente não se deve colocar a culpa nesse instrumento, o corpo envelheceu mesmo e talvez uma intervenção cirúrgica seja necessária

Internauta: Meu marido passa horas vendo pornografia na internet e depois me procura querendo sexo. O uso da internet ajuda ou atrapalha?

Dr. Christian Ferraz: O uso da internet pode auxiliar no aprendizado da sexualidade, mas é preciso ter cuidado porque muitos sites mostram cenas que não são reais, ou até são, sim, mas são cenas com atores preparados para essas situações; casais com problemas de disfunção sexual podem se sentir diminuídos com tais encenações sexuais. Eu digo que a internet pode ajudar, mas o uso excessivo atrapalha. Nos preocupamos com maconha, cocaína e outros tipos de drogas ilícitas, mas a internet pode ser a pior de todas elas. A grande droga do milênio é a internet, tornando-se uma doença. Intitulei essa doença de “internetite”. Respondo a você que a internet vem para o bem, mas vem para o mal também, é preciso usar com moderação.

Internauta: A ejaculação precoce prejudica a relação conjugal?

Dr. Christian Ferraz: A ejaculação precoce é uma situação em que o homem não consegue dar prazer a sua companheira, simplesmente porque, ao início da relação, ele pode ejacular. É preciso entender que o individuo que sofre com ejaculação precoce, tem ereção normalmente, mas tem sérios problemas com a adaptação sexual. Caro internauta, ejaculação precoce tem tratamento. Para nós homens o prazer se dá de forma diferente da mulher; na mulher a resposta sexual é mais lenta; o homem precisa “assoprar” para que o “fogo” feminino chegue ao clímax, para que ela, então, sinta prazer. Depois disso é que se deve pensar no prazer masculino. Não se preocupe, procurando um especialista, o problema será resolvido, mas é preciso deixar de lado o preconceito e se cuidar.

Dr. Christian Ferraz é Médico Pós-graduado em Ginecologia e Obstetrícia com título de especialista brasileiro pela FEBRASGO – Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia.

Pergunte ao doutor: o que é mioma?

GEDC1320

PERGUNTA: O que é?

Tumor benigno que acomete cerca de 50 % das mulheres em idade reprodutiva.PERGUNTA:O que pode causar o seu aparecimento?Os miomas parecem ter origem em alterações genéticas, por isso é comum observar a manifestação do problema em mulheres de uma mesma família. Os miomas são mais freqüentes entre mulheres de raça negra. Entre as mulheres de uma mesma família que tem tendência a desenvolver miomas a ocorrência é duas vezes maior entre parentes de primeiro grau. Seu aparecimento está associado a atividade dos estrogênios ( hormônio feminino), daí o mioma normalmente diminuir ou desaparecer após a menopausa, período em que há redução drástica na produção dos estrogênios.PERGUNTA:Quais são os sintomas mais comuns associados aos miomas?A queixa de sangramento vaginal anormal é o sintoma mais comum, acompanhada de aumento do fluxo ou do número de dias de menstruação, ou de menstruações com intervalos curtos e sangramentos fora do período menstrual normal. Pode também ocorrer cólica menstrual e, nos casos de mioma muito desenvolvido, pode haver aumento do volume abdominal. A grande maioria das pacientes não apresenta nenhum sintoma.

PERGUNTA: O que pode causar o seu aparecimento?
Os miomas parecem ter origem em alterações genéticas, por isso é comum observar a manifestação do problema em mulheres de uma mesma família. Os miomas são mais freqüentes entre mulheres de raça negra. Entre as mulheres de uma mesma família que tem tendência a desenvolver miomas a ocorrência é duas vezes maior entre parentes de primeiro grau. Seu aparecimento está associado a atividade dos estrogênios ( hormônio feminino), daí o mioma normalmente diminuir ou desaparecer após a menopausa, período em que há redução drástica na produção dos estrogênios.
PERGUNTA: Quais são os sintomas mais comuns associados aos miomas?
A queixa de sangramento vaginal anormal é o sintoma mais comum, acompanhada de aumento do fluxo ou do número de dias de menstruação, ou de menstruações com intervalos curtos e sangramentos fora do período menstrual normal. Pode também ocorrer cólica menstrual e, nos casos de mioma muito desenvolvido, pode haver aumento do volume abdominal. A grande maioria das pacientes não apresenta nenhum sintoma.
PERGUNTA: O mioma pode causar infertilidade?
Em apenas 5% dos casos o mioma uterino é causa de infertilidade.
PERGUNTA: É verdade que o mioma pode aumentar durante uma gravidez?
Existe a chance de crescimento do mioma na gravidez, de fato, por causa das modificações hormonais e do aumento d vascularização do útero que ocorre durante a gestação.
PERGUNTA: Posso ter alguma complicação na gravidez por causa de um mioma?
As complicações eventuais dependem do tamanho e da localização do mioma. Entre os tipos de complicações se destacam o abortamento espontâneo, no início da gestação, a possibilidade de parto prematuro ou de descolamento de placenta.
PERGUNTA: Qual é o tratamento indicado para o mioma?
O tratamento pode ser clínico, por meio de medicação ou cirúrgico. O tratamento clínico é indicado para melhorar os sintomas, quando estes estão presentes e, em alguns casos , para diminuir o volume do mioma. Quando o tratamento clínico não controla o sangramento uterino anormal ou quando o volume do útero é muito grande, o tratamento cirúrgico de retirada do mioma é o mais indicado. Mas este deve sempre levar em conta o desejo futuro de gravidez da mulher.
PERGUNTA: Qual a possibilidade de engravidar com mioma ou útero invertido?
Em ambos os casos há possibilidade de engravidar. Nos casos de mioma uterino, a mulher pode desenvolver uma gestação de alto risco dependendo do tamanho do tumor benigno.

PERGUNTA: O mioma pode causar infertilidade?

Em apenas 5% dos casos o mioma uterino é causa de infertilidade.

PERGUNTA: É verdade que o mioma pode aumentar durante uma gravidez?Existe a chance de crescimento do mioma na gravidez, de fato, por causa das modificações hormonais e do aumento d vascularização do útero que ocorre durante a gestação.

PERGUNTA: Posso ter alguma complicação na gravidez por causa de um mioma?As complicações eventuais dependem do tamanho e da localização do mioma. Entre os tipos de complicações se destacam o abortamento espontâneo, no início da gestação, a possibilidade de parto prematuro ou de descolamento de placenta.

PERGUNTA: Qual é o tratamento indicado para o mioma?

O tratamento pode ser clínico, por meio de medicação ou cirúrgico. O tratamento clínico é indicado para melhorar os sintomas, quando estes estão presentes e, em alguns casos , para diminuir o volume do mioma. Quando o tratamento clínico não controla o sangramento uterino anormal ou quando o volume do útero é muito grande, o tratamento cirúrgico de retirada do mioma é o mais indicado. Mas este deve sempre levar em conta o desejo futuro de gravidez da mulher.

PERGUNTA: Qual a possibilidade de engravidar com mioma ou útero invertido?Em ambos os casos há possibilidade de engravidar. Nos casos de mioma uterino, a mulher pode desenvolver uma gestação de alto risco dependendo do tamanho do tumor benigno.

só para mulheres

557620_359953534099007_1177206376_n3

Criamos a categoria “Só Para Mulheres”, onde você poderá interagir contando suas experiências com filhos, saúde, relacionamentos, tirando dúvidas, relatando histórias de superação, dando suas dicas de beleza, enfim… a categoria é “Só Para Mulheres”. Converse com a gente. Venha fazer parte do nosso universo feminino. Frequentemente, estaremos trazendo especialistas de diversas áreas para tirar dúvidas sobre saúde, estética, sexualidade, comportamento e muitas outras áreas. A categoria está no topo do site. Seja bem-vinda. Comente à vontade.

Pergunte ao Doutor

Leitoras do blog tiram dúvidas com o Ginecologista Dr. Christian Ferraz. Ouça a entrevista:

Audio clip: Adobe Flash Player (versão 9 ou superior) é necessária para desempenhar este clipe de áudio. Download da última versão aqui . Você também precisa ter o JavaScript habilitado no seu navegador.

Participe você também. Envie sua pergunta em comentários nessa categoria.

Dr. Christian Ferraz é Médico Pós-graduado em Ginecologia e Obstetrícia com título de especialista brasileiro pela FEBRASGO – Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia.

6 DICAS PARA VENCER A CANDIDÍASE

A candidíase é uma infecção que pode causar muito desconforto durante o dia. Porém, existem 6 dicas que ajudam a cura-la, são elas:

  1. Lavar a região íntima com água morna, depois de utilizar o banheiro, limpando de frente para trás, para evitar trazer fungos das fezes;
  2. Utilizar roupa pouco apertada e de algodão, permitindo que a pele respire e fazendo com que a Candida Albicans não se desenvolva;
  3. Evitar ficar com biquíni ou sunga molhados, depois da praia ou piscina, porque a umidade ajuda os fungos a se desenvolverem;
  4. Utilizar camisinha durante o contato íntimo, pelo menos enquanto houver sintomas;

Perda da acidez x corrimentos

Um dos problemas que mais afeta a saúde da mulher é o corrimento vaginal. Também chamado de vulvovaginite (processo infeccioso ou simplesmente inflamatório que acomete a parede que reveste internamente a vagina) é uma das causas mais frequentes de visita ao ginecologista.

A vulvovaginite ocorre quando o agente agressor (bactéria ou fungo, por exemplo) encontra um ambiente propício para crescer e se desenvolver. Uma dessas situações é a perda da acidez na região da vagina, por diversos motivos. Os agentes podem ser transmitidos por relações sexuais ou contatos com roupas infectadas. Outros fatores que também contribuem para as vulvovaginites são: hipersensibilidade aos espermaticidas e látex dos preservativos, bem como uso de lubrificantes na relação sexual.

De um modo geral, a vulvovaginite se manifesta através de corrimento vaginal, associado a um ou mais desses sintomas: coceira, dor ou ardor ao urinar, odor e incômodo pélvico.

Confira, abaixo, algumas dicas para se defender das vulvovaginites:

- Dedique especial atenção à higiene íntima. É fundamental manter a região em condições de se evitar a instalação de fungos ou bactérias!

Evite o uso de:

- Duchas frequentes, especialmente com produtos químicos irritativos que alterem o pH vaginal normal;

- Desodorantes íntimos em aerossol, sabões utilizados em lavanderias, amaciantes de roupas e aditivos para água de banho, que podem irritar a região da vulva;

- Roupas íntimas apertadas, não porosas.