Arquivo da categoria: Saúde Feminina de A a Z:

O que são varizes e como tratá-las

tratamento-varizes

Varizes, ou veias varicosas, são veias dilatadas, alongadas e tortuosas. Além de serem prejudiciais à estética, as varizes podem causar dor, cansaço e sensação de peso nas pernas. As varizes aparecem mais comumente nas pernas, porém podem ocorrer em outras partes do corpo. Veias são vasos sanguíneos que carregam sangue dos tecidos do corpo ao coração. Elas têm válvulas que ajudam o sangue a fluir em direção ao coração. Quando essas válvulas não funcionam corretamente, o sangue retorna e forma poças nas veias. Isso então faz as veias incharem e forma as varizes. Geralmente as varizes não causam problemas médicos. Porém, ocasionalmente podem requerer tratamento para dor, problemas de pele, coágulos sanguíneos ou outras complicações. Pessoas muitas vezes fazem tratamento para varizes por razões cosméticas.

Confira a matéria clicando abaixo:

Audio clip: Adobe Flash Player (versão 9 ou superior) é necessária para desempenhar este clipe de áudio. Download da última versão aqui . Você também precisa ter o JavaScript habilitado no seu navegador.

VOCÊ SABE O QUE É DISMENORRÉIA?

DISMENORREIA

O que é?

Menstruação dolorosa, cólica menstrual ou dismenorréia é a dor pélvica (baixo ventre) que ocorre antes ou durante o período menstrual, de modo cíclico. Menstruação dolorosa que impede as atividades normais ou necessita de medicação específica.

Como se desenvolve?

A dismenorréia pode ser primária ou secundária, de acordo com a presença ou não de alterações estruturais do aparelho reprodutivo feminino.

A dismenorréia primária é a menstruação dolorosa na ausência de lesões nos órgãos pélvicos. Geralmente, acompanha os ciclos menstruais normais e ocorre logo após as primeiras menstruações, cessando ou diminuindo de intensidade em torno dos 20 e poucos anos ou com a gravidez. É devida ao aumento da produção de algumas substâncias pelo útero chamadas de prostaglandinas, que promovem contrações uterinas dolorosas.

Dá pra confiar na Pílula?

pilula-anticoncepcional-para-controle-de-fluxo-menstrual-69-352

O contraceptivo oral combinado – mais conhecido como pílula – é o método anticoncepcional mais comum que existe: calcula-se que aproximadamente 100 milhões de mulheres façam uso desse método em todo o mundo. Com tamanho contingente de usuárias, não é à toa que a pílula seja constantemente estudada – e isso desde que surgiu, na década de 60. Um dos objetivos dos estudos é buscar diminuir a dose de hormônios e, com isso, minimizar riscos e manter a eficácia contraceptiva.

Orientações sobre ganho de peso durante a gestação

O ganho excessivo de peso na gravidez não só torna mais difícil perder o excedente após o nascimento, como também aumenta os riscos da mãe desenvolver diabetes gestacional, ter aumentos da pressão sangüínea (o que pode levar à pré-eclampsia), precisar fazer uma cesariana e sofrer infecção pós-parto. Para o bebê, o excesso de ganho de peso da mãe aumenta o risco de defeitos de tubo neural, trauma ao nascimento e morte fetal. Mulheres com peso normal devem ganhar entre 11 e 16 kg durante os 9 meses de gravidez; mulheres acima do peso, de 7 a 11 kg; mulheres abaixo do peso, entre 12 e 18 kg. Uma grávida de gêmeos pode ganhar um pouco mais de peso, sempre com orientação médica.

Cervicite ou Endocervicite

MULHER

Cervicite é uma irritação do colo do útero provocada por uma variedade de organismos diferentes.

Causas comuns são a gonorreia, herpes, clamídia e infecções bacterianas.

Existem também cervicites crônicas comuns nas mulheres depois do parto. É associada também frequentemente com a gravidez e o uso de contraceptivos orais. Menos frequentemente, a cervicite é causada por sensibilidades a determinados produtos químicos, incluindo aqueles presentes nos espermicidas, no látex das camisinhas e nos tampões vaginais.

As causas dessas doenças são várias, e todas necessitam de avaliação e tratamento por parte de um médico.

Os sintomas são inflamação, vermelhidão e corrimento que sai do colo do útero, podendo ou não se exteriorizar pelavagina.

A Importância do Pré-Natal para a Saúde

O pré-natal é a assistência que se dá à mulher a partir do momento em que ela engravida, no qual o médico procura diagnosticar e tratar doenças preexistentes, da realização de um diagnóstico precoce de qualquer alteração tanto da mãe quanto do feto para que dentro das possibilidades existentes hoje elas possam ser corrigidas.

O pré-natal é muito importante para que se tenha uma assistência também psicológica e emocional para a mulher, pois este é um período onde a mulher vive uma fase mais sensível, mais emotiva, onde surgem muitas dúvidas e medos. E é fundamental que possamos também orientá-las e ajudá-las a se situar de uma maneira equilibrada e tranqüila, simplesmente voltada às sensações boas e novas que ela começa a apresentar. Através de um acompanhamento é possível assegurar maior equilíbrio à gestante.

Regularidade

No pré-natal tem-se inicialmente consulta mensal e depois que a paciente chega à gravidez a termo, passamos a ter consultas com intervalos menores, dependendo de cada caso. Durante essas consultas mensais é claro que qualquer coisa que aconteça de diferente este intervalo pode mudar, comenta.

O guia das perguntas difíceis

crianca-duvida-pergunta-1305234543006_615x300

Nascimento, religião, sexo, família. Toda mãe já passou pela saia justa de ser questionada sobre estes e outros temas por seu filho e não soube o que dizer.

Selecionamos sugestões de respostas para as perguntas mais cabeludas – e mais comuns – das crianças. Assim você pode se preparar melhor para estes questionamentos e ajudar seu filho a entender o mundo da maneira mais real e sincera possível – sempre dentro das medidas da compreensão dele.

De onde eu vim?

Dúvidas sobre de onde vêm os bebês são geralmente as primeiras a surgir, conta a supernanny Cris Poli. Elas representam o período de autoconhecimento pelo qual toda criança passa.

Amenorréia

saude-da-mulher

Porque aparece
A amenorréia pode ser primária ou secundária. No primeiro caso, a adolescente não tem a menarca (primeira menstruação) e nenhum ciclo menstrual até os 16 anos. As causas podem ser genéticas, relacionada ao peso (meninas com peso muito abaixo ou muito acima do normal), problemas no hipotálamo – região do cérebro responsável por regular o sono, o apetite, a temperatura corporal e o ciclo menstrual, entre outras coisas – e má formação do trato genital. Na amenorréia secundária a mulher que já teve períodos experimenta a ausência de menstruação por um período maior do que três meses consecutivos. O problema pode estar ligado ao excesso de exercícios físicos, dietas bruscas com rápida perda de peso ou peso excessivamente abaixo do normal. Outras causas podem ser estresse, uso de medicamentos, distúrbios da tireóide, menopausa precoce, desvios hormonais e disfunções ovarianas – uma das mais comuns é a síndrome dos ovários policísticos (SOP).

Miomas afetam cerca de 40% das mulheres

A grande incidência na população feminina – cerca de 40% das mulheres – e o fato de ser mais comum na raça negra fazem os miomas mais frequentes na população baiana. Essas tumorações benignas do útero podem variar quanto à localização e tamanho, e têm como principal sintoma o distúrbio menstrual, com aumento do fluxo e do número de dias de menstruação, podendo causar, além de dor pélvica, até mesmo infertilidade.

O mais preocupante é a alta incidência da doença, que afeta as mulheres em idade reprodutiva. Além das mulheres de raça negra, é preciso considerar a herança genética, analisando se existe histórico dessa patologia na família, pois essas pacientes têm a probabilidade de desenvolver miomas aumentada. Os cuidados para a prevenção e detecção prévia da doença devem ser iniciados com a primeira menstruação.

Os tratamentos são definidos de acordo com fatores como a idade e desejo reprodutivo da paciente, além de características do mioma.

O que pode dificultar a gravidez?

Gravidez_843664002_gravidez-imagem

Um casal pode começar a considerar que está com dificuldades para engravidar quando suspende os métodos contraceptivos e, no prazo de um ano, não tem sucesso.

Isso se os dois estiverem com a saúde em dia e a mulher tiver até 35 anos – afinal, o fator idade é um dos que mais influencia a fertilidade.

Dos 35 aos 40 anos, o tempo de espera cai para seis meses. E acima disso, três meses. Dois abortos espontâneos, em qualquer idade, também podem indicar problemas.

Períodos menstruais intensos: miomas, pólipos e doenças do colo uterino são algumas das causas

O que pode causar um período menstrual mais intenso, com maior intensidade de sangramento e maior duração?

O sangramento menstrual mais intenso pode acorrer por diversos motivos. Primeiro é preciso ter certeza de que o fluxo aumentado não é uma característica própria da paciente – muitas mulheres possuem um fluxo fisiologicamente aumentado. Depois, precisa-se entender se o motivo do fluxo aumentado tem uma causa relacionada a uma disfunção hormonal (sangramento uterino anormal disfuncional) ou se há uma causa orgânica, ou seja, doenças uterinas como miomas, pólipos endometriais, pólipos cervicais e doenças do colo uterino.

HPV e vacinação: preocupação deve ser tanto das mulheres quanto dos homens

O que é HPV?

HPV significa vírus do papiloma humano. É um vírus que pode ser transmitido através do contato sexual. Durante a relação sexual ou sexo oral, o HPV pode fazer o seu caminho para os órgãos genitais, boca ou garganta e causar infecção.

O HPV sexualmente transmissível vem em mais de 40 variedades diferentes. O tipo do vírus determina quais os efeitos que este terá sobre o seu corpo. Certos tipos de HPV causam verrugas genitais. Outros tipos de HPV podem fazer as células se tornarem cancerosas. Você provavelmente já ouviu falar que o HPV causa o câncer cervical, mas também provoca cânceres menos comuns da vulva, vagina, pênis, ânus, cabeça e pescoço.

Câncer de Mama em Jovens

cancer-de-mama

O número de casos de câncer de mama em mulheres jovens aparentemente está crescendo em todo o mundo. Ainda não é possível identificar apenas uma causa para o aumento dos casos. No entanto, atualmente, pode-se falar em cura para os casos de câncer de mama detectados precocemente.

O início da puberdade marcado pelo desenvolvimento das mamas, quando associado a obesidade representa um fator de risco para o câncer de mama. Existe uma associação entre câncer de mama, idade precoce da menarca e maior índice de massa corporal e gordura corporal.

Cuidados Essenciais

  • Aparência e Forma de suas Mamas

É importante que você conheça a aparência e a forma de sua mama para poder notar rapidamente qualquer alteração. Converse com o seu médico imediatamente, caso perceba alguma alteração.

Que exames ginecológicos a mulher deve fazer a cada idade?

mulher-de-cabelo-preso-sorrindo

Durante a infância, há algum exame específico que as meninas devem fazer?

Durante a infância, as meninas são acompanhadas pelos médicos pediatras, porém no momento da telarca (aparecimento das mamas), que ocorre entre 8 e 10 anos de idade, elas podem ser consultadas por um ginecologista.


A partir de quantos anos uma adolescente deve ir ao ginecologista?

Adolescência é um período da vida que se estende dos 10 aos 20 anos de idade e a consulta com um ginecologista poderá ser feita se a adolescente quiser, desejar, planejar o início da atividade sexual ou já tê-la iniciado. É interessante também que a adolescente acompanhe sua mãe para que desmistifique a consulta com o ginecologista.

Amenorréia primária

20151021_084515

Amenorréia primária é a ausência de menstruação em uma menina de 14 anos que não apresenta ainda desenvolvimento de caracteres sexuais secundários (mamas, pêlos, estirão do crescimento), ou a ausência de menstruação em menina de 16 anos que já apresenta caracteres sexuais secundários.

Menarca refere-se à ocorrência da primeira menstruação. Nas amenorréias primárias a menina não teve menarca , ou seja, a primeira menstruação.

Como se desenvolve e quais são as causas?

As causas de amenorréia primária podem ser:

Microcefalia em bebês: qual a relação com o Zika vírus?

microcefalia12

Segundo nota divulgada no dia 27 de novembro, “o Ministério da Saúde considera confirmada a relação entre o vírus e a ocorrência de microcefalia. Essa é uma situação inédita na pesquisa científica mundial. As investigações sobre o tema devem continuar para esclarecer questões como a transmissão desse agente, a sua atuação no organismo humano, a infecção do feto e período de maior vulnerabilidade para a gestante. Em análise inicial, o risco está associado aos primeiros três meses de gravidez”.

Entenda o que é Microcefalia

A microcefalia é uma doença em que a cabeça e o cérebro das crianças são menores que o normal para a sua idade, influenciando o seu desenvolvimento mental.

Geralmente, a microcefalia está presente quando o tamanho da cabeça de uma criança com um ano e três meses é menor que 42 centímetros. Isto ocorre porque os ossos da cabeça, que ao nascimento estão separados, se unem muito cedo, impedindo que o cérebro cresça normalmente.

A microcefalia é uma doença grave, que não tem cura, e a criança que a possui pode precisar de cuidados por toda a vida, sendo dependente para comer, se mover e fazer suas necessidades, dependendo da gravidade da microcefalia que possui e se ela possui outras síndromes além da microcefalia. Veja detalhes sobre como é a vida da criança com microcefalia.

Ecocardiografia fetal diminui riscos para recém-nascidos

20151021_084006-1

É um exame de ultrassom que permite avaliar se o coração do feto está se desenvolvendo
adequadamente e se apresenta função normal dentro do útero da mãe.

O ecocardiograma complementa a avaliação do ultrassom morfológico, pois é realizado por

um cardiologista pediátrico com especialização nesta técnica.

Algumas doenças cardíacas congênitas requerem correção cirúrgica imediatamente após o
nascimento. O diagnóstico feito ainda durante a gravidez possibilita o planejamento do parto
em Hospital com infraestrutura para receber e tratar o este recém-nascido tão especial.

Microcefalia

microcefalia

Microcefalia é uma condição neurológica rara em que a cabeça da pessoa é significativamente menor do que a de outros da mesma idade e sexo. Microcefalia normalmente é diagnosticada no começo da vida e é resultado do cérebro não crescer o suficiente durante a gestação ou após o nascimento.

Crianças com microcefalia tem problemas de desenvolvimento. Não há tratamentos para a microcefalia, mas tratamentos realizados desde os primeiros anos melhoram o desenvolvimento e qualidade de vida. A microcefalia pode ser causada por uma série de problemas genéticos ou ambientais.

Causas

Microcefalia é o resultado de um crescimento anormal do cérebro que pode ocorrer no útero ou na infância. Microcefalia pode ser genética. Algumas outras causas são:

  • Malformações do sistema nervoso central
  • Diminuição do oxigênio para o cérebro fetal: algumas complicações na gravidez ou parto podem diminuir a oxigenação para o cérebro do bebê
  • Exposição a drogas, álcool e certos produtos químicos na gravidez
  • Desnutrição grave na gestação
  • Fenilcetonúria materna
  • Rubéola congênita na gravidez
  • Toxoplasmose congênita na gravidez
  • Infecção congênita por citomegalovírus.

Grávidas: Vejam cinco dicas para se proteger do vírus zika

gravidez-de-gemeos-como-descobrir

A relação dos casos de microcefalia (cérebro menor do que o normal) com o zika vírus deixou gestantes e mulheres que querem engravidar apreensivas. Não é para menos: o próprio ministro da Saúde disse que quem quiser ter um filho agora deve redobrar os cuidados.

O vírus zika é transmitido pelo mosquito da dengue (Aedes aegypti) e também tem sintomas parecidos com os da doença endêmica, embora mais suaves. Há casos em que a febre zika, como ficou conhecida, nem apresenta sintomas. Os sintomas se resumem a febre, náuseas, dores e manchas pelo corpo que desaparecem em até cinco dias.