SÍNDROME METABÓLICA

acelere-seu-metabolismo

A síndrome metabólica, conhecida também por síndrome plurimetabólica, pode ser definida como um conjunto de fatores de risco inter-relacionados que aumentam a possibilidade de desenvolvimento de doenças cardiovasculares e/ou diabetes mellitus tipo II.

A causa exata para o aparecimento de síndrome metabólica não está ainda definida, mas sabe-se que a obesidade abdominal e a resistência à insulina parecem ter um papel essencial para o aparecimento da síndrome.

Diagnóstico da Síndrome Metabólica

O diagnóstico da Síndrome Metabólica é com base nos critérios para diagnóstico da Síndrome Metabólica:

  • Glicemia em jejum entre os 100 e 125 ou entre 140 e 200 após refeições;
  • Valores de HDL baixos e LDL elevados;
  • Níveis aumentados de triglicéridos e ácido úrico;
  • Obesidade, avaliada pela medida da circunferência abdominal nos homens >102 cm e nas mulheres > 88cm
  • Alguns marcadores no sangue alterados, entre eles a proteína C-reativa.

O indivíduo tem síndrome metabólica se apresentar pelo menos 3 destes critérios e o tratamento deve ser iniciado rapidamente para evitar as consequências que a doença possa vir a provocar.

Sintomas da Síndrome Metabólica

Os sintomas da Síndrome Metabólica são:

  • Intolerância à glicose, com glicêmia em jejum na faixa dos 100 e 125 e após refeições entre 140 e 200;
  • Hipertensão arterial;
  • Níveis altos de colesterol LDL e níveis baixos de colesterol HDL;
  • Aumento dos níveis de triglicéridos;
  • Obesidade;
  • Ácido úrico elevado;
  • Microalbuminúria;
  • Processos inflamatórios vasculares;
  • Resistência à insulina por causas genéticas.

A Síndrome Metabólica é uma doença da civilização moderna como resultado da alimentação inadequada e do sedentarismo.

Tratamento da Síndrome Metabólica

O tratamento da Síndrome Metabólica baseia-se na mudança do estilo de vida, adotando um estilo de vida saudável que inclui atividade física regular, uma alimentação equilibrada, perca de peso e deixar de fumar e consumir bebidas alcoólicas.

Em casos mais graves em que os fatores de risco da doença estão bastante alterados é necessário o uso de fármacos que podem ser anti-hipertensores para controlar a pressão alta, uso de Estatinas para controlar o colesterol e insulina para a diabetes.

Fonte: Tua Saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Spam Protection by WP-SpamFree