Tag Arquivos: Depilação

Dicas para uma depilação mais suave

depilacao-definitiva

Quando o assunto é depilação das partes íntimas dá até frio na barriga, pelo fato de a maioria das mulheres sofrerem com a dor e depois com pêlos encravados, inflamações e coisas do gênero. Mas seguindo algumas dicas dá pra diminuir o sofrimento.

Antes de começar a depilação, o ideal é deixar a área bem limpa pra evitar irritação. Para retirar a umidade e deixar a pele limpa, vale passar álcool e talco, mas sempre protegendo a mucosa.

Quem utiliza cera, deve sempre optar pelas descartáveis para afastar o risco de infecções e contaminação por bactérias e prestar atenção na temperatura, afinal trata-se de uma região fina e sensível.

Pra quem prefere usar a lâmina, o melhor momento para a depilação é a hora do banho, pelo fato de os pêlos estarem amolecidos e a pele limpa. Use sempre uma lâmina nova e lembre-se de esticar bem a pele para evitar cortes.

Dica 1 – No chuveiro, deixe a água quente escorrer na virílha por alguns minutos. Ela funciona como um antiinflamatório e dilata os poros.

Dica 2 – Use lâmina com cabeça móvel e passe no sentido dos pêlos. Assim, impede que eles encravem.

Dica 3 – Evite sabonete, hidratante ou condicionador. eles não são apropriados para esse fim e podem provocar alergia. Use creme para barbear, ou os próprios para depilação. aplique no local e espere por alguns minutos para os pêlos amolecerem.

As dicas são da dermatologista Rachel Afonso Vicente, da Sociedade Brasileira de Medicina Estética

Se você não liga muito pra dor e gosta de algo mais duradouro pode fazer a depilação com uma pinça, mas isso exige paciência. Esse processo é muito bom por não danificar a pele e ainda diminuir o ritmo de crescimento dos pêlos. Não esqueça de deixar a pinça bem limpa antes de ser utilizada.

As mulheres que sofrem com pêlos encravados podem recorrer ao uso de cremes com corticóides, antibióticos, ácido glicólico e antiinflamatórios. O uso de sabonetes e loções antissépticos também evita as irritações.

Essa matéria foi sugerida por uma internauta que nos curte no Facebook

Manchas nas axilas e virilhas: o que fazer?

axilas_depilacao_10586_12560

Axilas bem tratadas

A médica Gisele Barbosa lista os cuidados necessários para ficar com a região livre de problemas

As manchas são uma das queixas mais frequentes no consultório. Não existem apenas no rosto e também são temíveis no corpo, como na região das axilas.

Principalmente no Brasil, um país que quase todos os dias está quente e com Sol, as mulheres usam e abusam das blusinhas sem mangas. Mas há mulheres que nem usam essas blusas com vergonha de aparecerem aquelas manchas escuras. Portanto, as axilas manchadas podem, sim, inibir as mulheres. Em um primeiro momento isso pode parecer um exagero, mas não é. A mulher tem que se sentir bem com seu corpo. A beleza é feita desses pequenos detalhes.

As manchas podem ocorrer em qualquer tipo de pele, seja clara ou mais escura. E no caso de peles mais escuras, essas manchas são bem mais intensas, pois seus melanócitos (células da pele que produzem o pigmento melanina) acabam produzindo mais melanina devido a qualquer que seja o estímulo desencadeante, em comparação com uma pele mais clara.

Por exemplo, uma simples depilação com lâmina ou uma foliculite, pode gerar um processo inflamatório exagerado na pele mais escura, que então tenta se proteger dessa “agressão” produzindo mais melanina (portanto manchando) e/ou até mesmo deixando a pele mais áspera. A pele mais clara também pode gerar mais melanina, mas sua resposta será em quantidade menor do que a pele mais escura.

Esses estímulos desencadeantes podem ser provocados por métodos de depilação inadequados para aquela pele, foliculite, alterações hormonais, resistência à insulina, obesidade, atrito da pele com a roupa, alergias, quantidade e qualidade do suor, ou mesmo alguns componentes existentes em alguns desodorantes (como compostos alcoólicos específicos ou abrasivos).

Para cada tipo de pele e para cada região do corpo existem tratamentos dermatológicos diferentes e específicos para cada caso. Apenas para citar, os mais eficazes são a prescrição de cremes clareadores potentes, os peelings químicos, a luz pulsada e o Laser (será recomendada a depilação a laser quando a causa da hiperpigmentação está associada ao método de depilação ou foliculite).

Justamente pensando nesse público que várias marcas famosas de cosméticos decidiram lançar desodorantes que prometem clareamento de todas essas manchas em axilas. Dentre os componentes principais desses desodorantes clareadores estão o extrato natural de pérolas (produz luminosidade e assim disfarça o escurecimento da axila ao refletir a luz), calêndula, extrato de semente de girassol (fonte natural de ácido linoléico) e vitamina E. Isso segue a tendência mundial que é o aumento de cosméticos com ingredientes naturais.

Em geral, são principalmente compostos naturais, calmantes e agentes hidratantes, que são pouco irritativos, proporcionando à pele hidratação, redução da inflamação e suavização dos tecidos irritados. E apenas isso, já melhora a qualidade da pele, mesmo que seja apenas enquanto se utilizar o produto. Apenas não sendo irritantes e tendo propriedades anti-inflamatórias e suavizantes, já ajudam também a não manchar mais.

Deve ficar bem claro que não se trata de tratamento médico, sendo apenas um cosmético com uma vantagem a mais, digamos assim. Não se deve esperar resultados mágicos ou grandiosos. As mulheres podem sim até relatar uma melhora na coloração da mancha, mas o que mais se observa, é a melhora da textura e hidratação da pele.

De qualquer forma, podemos seguir algumas dicas para deixar nossas axilas as melhores possíveis:

- Sempre hidratar a pele, escolhendo desodorantes que não a agridam (não pode deixar a pele ardendo ou vermelha) e nem ressequem essa axila.

- Não persistir em métodos de depilação que você já tenha percebido que piora ou mancha mais sua pele. Vale lembrar que o melhor método hoje existente é a depilação a laser, pois deixa a pele lisa e macia, sem as agressões (e sem a foliculite) dos outros métodos tradicionais.

- Desodorante sem álcool e de preferência que possua agentes anti-inflamatórios (como calêndula e camomila) ou agentes emolientes (como óleos vegetais, ceras e lanolina).

- Procurar seu dermatologista para tratamentos mais específicos e eficazes.