Tag Arquivos: Endometriose

Biópsia do endométrio ajuda tratamento de reprodução assistida

z_3814

Uma pesquisa brasileira sugere que realizar uma biópsia de endométrio em mulheres que estão em tratamento de reprodução assistida aumenta as chances de sucesso da gravidez. A técnica, descrita pela primeira vez em 2003, ainda é considerada controversa.

A biópsia de endométrio é um procedimento invasivo, que dura cerca de dez minutos, e geralmente é indicado para diagnóstico de câncer ou de infertilidade. O uso da técnica para tentar aumentar taxas de gravidez foi descrito em 2003 por médicos israelenses e, desde então, ainda não se sabe ao certo qual é o mecanismo que estaria envolvido.

O estudo brasileiro é resultado de uma tese de doutorado defendida na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e foi conduzido pelo médico Fernando Prado Ferreira no Centro de Reprodução Humana do Hospital Santa Joana – maternidade particular da cidade.

O objetivo inicial do estudo era descobrir se, ao realizar a biópsia de endométrio antes do ciclo de fertilização, ubstâncias que poderiam ou não facilitar no processo de implante do embrião. Para isso, Ferreira analisou 98 mulheres, com idade média de 33 anos, que tentavam o primeiro ciclo de fertilização: 49 delas fizeram a biópsia e 49 não.

Segundo Ferreira, não foi possível correlacionar a taxa de gravidez com as substâncias analisadas, mas, por acaso, ele percebeu que a taxa de sucesso de gravidez foi cerca de 40% maior nas mulheres que fizeram a biópsia antes do ciclo. Os resultados da pesquisa serão apresentados em julho no 27.º Congresso Anual da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Pergunte ao Doutor: endometriose

Endometriose2

Você costuma ter cólicas menstruais fortes? A medicação faz pouco efeito e a cada mês o quadro parece piorar? Procure um médico. Você pode sofrer de endometriose, doença que acomete um tecido da parte interna do útero.

O problema atinge de 10 a 14% das mulheres em fase reprodutiva (entre 19 e 44 anos) e pode levar à infertilidade. O diagnóstico precoce, porém, evita muitas complicações. A seguir, entenda a doença e conheça os tratamentos.

Entenda o problema

A doença está relacionada ao endométrio, tecido que reveste a parte interna do útero e tem como função preparar o órgão para receber o embrião quando a mulher engravida. Quando o óvulo não é fecundado, ele descama e é eliminado pela menstruação. Na endometriose, porém, em vez de ser totalmente descartado, o tecido vai para outras partes do corpo, como trompas, ovários, intestino delgado, bexiga, peritônio (membrana que reveste o útero), parede da pélvis, tecido entre a vagina e o reto. A cada menstruação, haverá sangramento nos lugares em que houver endométrio.

Quais são os sintomas?

· Dor pélvica (na parte inferior da barriga, um palmo abaixo do umbigo). A intensidade da dor pode aumentar próximo ao período menstrual.

· Cólicas menstruais muito fortes. A cada mês, a intensidade da dor aumenta.

· Dor durante a relação sexual, principalmente quando há penetração mais profunda.

· Sangramento e dor ao urinar.

· Desconforto ao evacuar.

· Infertilidade.

Diagnóstico

O médico fará um exame de toque no abdome para identificar áreas mais sensíveis à dor, ovários aumentados e mobilidade do útero. Poderá também solicitar outros exames, como ultrassom transvaginal, ressonância da região da pélvica, exame de sangue e colonoscopia.

Tratamentos

Para casos iniciais ou leves, com poucos focos da doença

· Ingestão de pílula anticoncepcional tomada sem pausa.

· Aplicação de DIU de progesterona, a fim de parar a menstruação. O dispositivo deve ser trocado a cada três anos.

· Ingestão de análogo GNRH, remédio mais forte do que a pílula, que também inibe a menstruação. A paciente toma a medicação por seis meses e, então, passa para a pílula anticoncepcional, tomada sem pausa.

Para casos ainda mais graves, com muitos focos da doença

· Laparoscopia, isto é, cirurgia que retira o tecido endometrial de partes indevidas.

Endometriose

endometriose

O que é?

Endometriose é uma doença que acomete as mulheres em idade reprodutiva e que consiste na presença de endométrio em locais fora do útero.

Endométrio é a camada interna (revestimento interno) do útero, que é renovada mensalmente pela menstruação.

Onde se localiza?

Os locais mais comuns da endometriose são: Fundo de Saco de Douglas (atrás do útero), septo reto-vaginal (tecido entre a vagina e o reto), trompas, ovários, superfície do reto, ligamentos do útero, bexiga e parede da pélvis (peritôneo).

Causas

Há diversas teorias sobre as causas da endometriose. A principal delas é que, durante a menstruação, células do endométrio, o revestimento interno do útero, sejam enviadas pelas trompas para dentro do abdômen (cavidade peritoneal).

Há evidências que sugerem ser uma doença genética. Outras sugerem ser uma doença do sistema de defesa. Na realidade, sabe-se que as células do endométrio podem ser encontradas no líquido peritoneal em volta do útero em grande parte das mulheres. No entanto, apenas algumas mulheres desenvolvem a doença. Estima-se que 6 a 7% das mulheres tenham endometriose.

Endometriose: Três doenças diferentes

As teorias mais modernas parecem mostrar que existem três tipos de endometriose que podem até ser três doenças diferentes:

Endometriose Ovariana: caracterizada por cistos ovarianos que contem sangue ou conteúdo de cor achocolatada.

Endometriose Peritoneal: onde os focos existem apenas no peritônio ou na parede pélvica.

Endometriose Profunda: que pela sua importância merece um capítulo à parte.

Endometriose Profunda

O que é?

Devido à proximidade entre o útero e o intestino, a endometriose pode invadir áreas adjacentes ao útero.

A principal característica dessa doença é a dor. Seu tratamento é difícil e, hoje, no Brasil, apenas poucos centros têm condição de fazer a cirurgia desse tipo de endometriose.

Tipos de endometriose profunda:
Endometriose reto sigmoide
Endometriose retro cervical
Endometriose septo-reto-vaginal
Endometriose – ligamentos útero-sacros
Endometriose intestinal

Tratamento

O tratamento da endometriose, hoje, depende de uma abordagem sincera entre a paciente e o médico. Após a avaliação cuidadosa de cada caso, o médico e a paciente vão resolver juntos o melhor caminho a ser seguido.

Especial atenção deve ser dada à paciente que pretende engravidar. Talvez seja necessário seu encaminhamento para um Centro de Reprodução Humana mesmo antes do tratamento da endometriose ser iniciado.

Outra principal atenção é a endometriose profunda. Sabe-se que cirurgias muito bem planejadas reduzem significativamente a dor nesses casos, mas essas cirurgias só são feitas em centros especializados.

Atualmente não há cura para a endometriose. No entanto, a dor e os sintomas dessa doença podem ser diminuídos e controlados.

As principais metas do tratamento são:

  • Aliviar ou reduzir a dor (e outros sintomas).
  • Diminuir o tamanho dos implantes.
  • Reverter ou limitar a progressão da doença.
  • Preservar ou restaurar a fertilidade.
  • Evitar ou adiar a recorrência da doença.

O tratamento cirúrgico pode ser feito com laparotomia ou laparoscopia. Os implantes de endometriose são destruídos por coagulação à laser, vaporização de alta frequência ou bisturi elétrico. A decisão cirúrgica é importante. A maior parte dos sucessos terapêuticos decorrem de uma primeira cirurgia bem planejada. Cirurgias repetidas são desaconselhadas, pois aumenta a chance de aderências peritoneais, tão prejudiciais como a própria doença.

O tratamento clínico de formas brandas em mulheres que não pretendem engravidar pode ser feito com anticoncepcionais orais, injetáveis, implantes subdérmicos ou intrauterinos. Há um certo consenso entre os estudiosos que o pior a fazer é não fazer nada, já que a doença pode ser evolutiva.

Em mulheres que pretendem engravidar, o tratamento pode ser feito com cirurgia e tratamento hormonal, ou tratamento hormonal e depois cirurgia. No entanto, estudos atuais mostram que em mulheres com endometriose e que não conseguem engravidar, a melhor alternativa é a fertilização in vitro, e que a presença de endometriose não afeta as taxas de gravidez quando esse método é escolhido.

Varias drogas têm sido usadas, mas poucas com resultados definitivos.
Trabalhos da Unicamp mostram uma melhora dos sintomas com o dispositivo intrauterino liberador de levonorgestrel.